Polícia

Assessor da deputada Alessandra Campêlo é exonerado do cargo após incentivar briga entre ex-companheira e atual

Assessor da deputada estadual Alessandra Campêlo e lutador de jiu-jitsu, Marcelo Medeiros, foi exonerado do cargo pela deputada após ser acusado de incentivar agressão física contra sua ex-companheira, Angela Hiromi.

Relatos informam que Angela teria ido a casa da mãe de seu ex-companheiro, no caso Marcelo, cobrar uma divida que ele estava devendo. Entretanto, ao chegar no local, acabou sendo agredida a socos e empurrões pela atual companheira do ex-assessor, identificada Aleandra Pinto.

Em depoimento, Angela disse que ao entrar na casa do ex foi surpreendida por Aleandra, que começou agredi-la com incentivo de Marcelo que dizia: “Bate na cara dela, dá murro, quebra ela!”.

Em contrapartida, a atual companheira de Marcelo usou as redes sociais para falar que sua casa havia sido invadida por Angela e que a ex-companheira do ex-assessor não aceitava o fim do relacionamento com o lutador.

Aleandra disse que tudo que ela fez não passou de uma forma de defesa.

Política

Por ser assessor da deputada que luta pelos direitos da mulher, Alessandra Campêlo disse que o lutador foi exonerado imediatamente.

“Da minha parte, enquanto mulher, deputada e Procuradora da Mulher da Assembleia Legislativa do Amazonas, repudio e condeno todas as formas de violência, principalmente envolvendo mulheres. Nesse mundo machista, onde precisamos nos unir, por vezes o machismo, a insegurança e a falta de amor próprio nos afastam, nos tornam “rivais” e nos levam a extremos assim. Combater a violência é minha bandeira e minha luta diária”, disse a deputada.

Ainda ressaltou que:

“Sobre o assessor, assim que tomei conhecimento do caso determinei que o mesmo fosse exonerado, preventivamente, para que as autoridades competentes (polícia) concluam a investigação e também com o relato de testemunhas (pessoas presentes)”, reforçou.

Para finalizar, a deputada informou que ofereceu ajuda as duas mulheres com atendimento psicológicos e jurídicos.

“De pronto, ofereci às duas mulheres atendimento psicológico e jurídico da Procuradoria da Mulher. Da mesma forma, ofereci atendimento psicológico aos filhos das duas mulheres, crianças que, lamentavelmente, presenciaram tudo. Como disse em outras ocasiões, a violência nunca será resposta para resolver qualquer tipo de problema, seja pessoal ou profissional”, finalizou Campêlo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *